Dica 01: Como fazer cópias físicas de um dispositivo usando dd

Dica 01: Como fazer cópias físicas de um dispositivo (disquete, cdrom, etc) – Originalmente postada na lista Linux Ufms em 30 de abril de 2003.

Existe um comando no Linux que consegue fazer uma cópia fiel um dispositivo ligado ao sistema. Seu nome é dd.

Por exemplo:

Se eu preciso copiar um disquete (todos os bytes dele, não somente os arquivos dele), poderei usar:

dd if=/dev/fd0 of=arquivo_de_imagem

O dd irá tomar como arquivo de entrada (if, input file) o dispositivo /dev/fd0, que é a unidade A: no mundo Windows e usará um arquivo com o nome “arquivo_de_imagem” (ou qualquer outro nome que você quiser) como destino (of, output file). Para gravar de volta em outro disco, use o inverso do comando:

dd if=arquivo_de_imagem of=/dev/fd0

Assim, o dd irá ler o arquivo_de_imagem e gravar o conteúdo dele no dispositivo do disquete.

Esta imagem de disco é tão perfeita, que pode ser acessada como se fosse um disquete normal, bastando montá-la assim:

mount -t vfat arquivo_de_imagem diretorio -o loop

Onde “-t vfat” é o sistema de arquivos que o disco foi formatado (vfat é do DOS/Windows, ext2 do Linux, etc), “diretório” é um diretório vazio (que deve ser criado antes de executar este comando) onde o conteúdo do arquivo será acessado e “-o loop” é para informar que o arquivo não é um dispositivo físico.

Para deixar a dica mais “interessante”, vocês podem usar o dd para gerar imagens de cd (.iso), bastanto alterar o arquivo de entrada para o dispositivo do seu cdrom (normalmente é /dev/cdrom, mas isto pode variar de instalação para instalação):

dd if=/dev/cdrom of=imagem.iso

E depois montar a imagem como se fosse um cd:

mount -t iso9660 imagem.iso diretorio -o loop

Esta ultima parte da dica também pode ser útil para testarmos imagens de cd baixadas da Internet antes de queimar um cd. Se não montar é porque a imagem pode estar com problemas e talvez seja necessário baixa-la novamente.

Obs: o dispositivo do disquete/cdrom NÃO precisa ser montado antes da operação de cópia com o dd.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *